Culto Maravilhoso de Domingo pela manhã 26/01/2014

Paulo Cesar Baruk - Dependo de ti

segunda-feira, 7 de fevereiro de 2011

"Me chame apenas Jesus."Max Lucado...

"Me Chame Apenas de Jesus”
de Max Lucado
Muitos dos nomes na Bíblia que se referem ao Senhor são imponentes e augustos: Filho de Deus, Cordeiro de Deus, Luz do Mundo, A Ressurreição e a Vida, Estrela da Manhã, Aquele que Devia Vir, Alfa e Omega.
 Essas são frases que esticam os limites da linguagem humana num esforço para capturar o que é incapturável, a grandeza de Deus. E por mais que tentem elas nunca satisfazem. Ouvi-las é quase que ouvir uma banda do Exército de Salvação tocar na esquina o "Messias" de Handel por ocasião do Natal. Uma boa tentativa, mas não funciona. A mensagem é majestosa demais para o meio de comunicação.
 O mesmo acontece com a linguagem. A frase "Não há palavras para expressar..." é a única que pode ser honestamente aplicada a Deus. Nenhum nome lhe faz justiça.
 Mas existe um nome que recorda uma qualidade do Mestre que confundiu e compeliu aqueles que o conheceram. Ele revela um lado dele que, quando reconhecido, é suficiente para fazer com que você se prostre.
 Ele não é pequeno nem grande demais. E um nome que se ajusta como o sapato se ajustou ao pé de Cinderela.
 Jesus.
 Nos evangelhos é o seu nome mais comum — usado quase 600 vezes. E era mesmo um nome comum. Jesus é a forma grega de Josué, Jesua e Jeosua — todos nomes familiares no Velho Testamento. Houve pelo menos cinco sumo sacerdotes conhecidos como Jesus. Os escritos do historiador Josefo se referem a cerca de vinte pessoas chamadas Jesus. O Novo Testamento fala de Jesus, o Justo[1], amigo de Paulo,  e o feiticeiro de Pafos é chamado Bar-Jesus[2]. Alguns manuscritos dão Jesus como o primeiro nome de Barrabás. "A quem quereis que eu vos solte, a Jesus Barrabás ou a Jesus, chamado Cristo?"[3]
 Qual é o ponto? Se Jesus viesse hoje, o seu nome poderia ser João, Beto ou Carlos. Se ele estivesse aqui hoje, é duvidoso que se distanciasse com um nome elevado como Reverendo Santo Divindade Angelical III. Não, quando Deus escolheu o nome que seu filho teria, ele escolheu um nome humano.[4]Preferiu um nome tão típico que aparecesse duas ou três vezes em qualquer chamada de escola.
 "O Verbo se fez carne", disse João, em outras palavras.
 Ele era palpável, acessível, alcançável. E, mais ainda, ele era comum. Se estivesse aqui hoje você provavelmente não o notaria quando estivesse em meio a uma multidão fazendo compras. Ele não faria as cabeças se voltarem por causa das roupas que usava ou pelas jóias com que se adornava.
 "Me chame apenas de Jesus", quase se podia ouvi-lo dizer.
 Ele era o tipo de pessoa que você convidaria para assistir um jogo de futebol em sua casa. Ele brincaria no chão com seus filhos, cochilaria no seu sofá, e faria churrascos em sua grelha. Ele riria das suas piadas e contaria algumas das dele. E quando você falasse, ele ouviria como se tivesse todo o tempo da eternidade.
 Uma coisa é certa, você o convidaria de novo.
 Vale a pena notar que os que o conheciam melhor se lembravam dele como Jesus. Os títulos, Jesus Cristo e Senhor Jesus só aparecem seis vezes. Os que andaram com ele, não se lembravam dele com um título ou designação, mas com um nome — Jesus.
 Pense nas implicações. Quando Deus decidiu revelar-se à humanidade, qual o meio que usou? Um livro? Não, isso foi secundário. Uma igreja? Não. Isso foi uma conseqüência. Um código moral? Não. Limitar a revelação de Deus a uma lista fria de "faça" e "não faça" é tão trágico como olhar para um mapa rodoviário e dizer que você viu as montanhas.
 Quando Deus decidiu revelar-se, ele fez isso (surpresa das surpresas) através de um corpo humano. A língua que ressuscitou os mortos era humana. A mão que tocou o leproso tinha sujeira debaixo das unhas. Os pés sobre os quais a mulher chorou eram calosos e empoeirados. E suas lágrimas... oh, não se esqueça das lágrimas... elas vieram de um coração tão quebrantado como o seu ou o meu jamais o foram.
 "Porque não temos sumo sacerdote que não possa compadecer-se das nossas fraquezas"[5] (Heb 4:15)
 As pessoas se aproximavam então dele. Puxa, como o procuravam! Elas surgiam à noite; tocavam nele quando caminhava pelas ruas; seguiam-no até o mar; convidavam-no para suas casas e colocavam seus filhos aos pés dele. Por quê? Porque ele se recusou a tornar-se uma estátua numa catedral ou um sacerdote num púlpito elevado. Ele escolheu em vez disso ser Jesus.
 Não há sequer uma sugestão de alguém que temesse aproximar-se dele. Havia alguns que o ridicularizavam. Havia outros que o invejavam. Outros ainda que não o compreendiam. E outros que o reverenciavam. Mas não havia ninguém que o considerasse santo demais, divino demais, ou celestial demais para ser tocado. Não houve uma pessoa sequer que relutasse aproximar-se dele com medo de ser rejeitada.
 Lembre-se disso.
 Lembre-se disso da próxima vez que ficar surpreso com suas próprias falhas.
 Ou da próxima vez em que acusações ácidas fizerem buracos em sua alma.
 Ou da próxima vez em que olhar para uma catedral fria ou ouvir uma liturgia sem vida.
 Lembre-se. É o homem que cria a distância. É Jesus quem constrói a ponte.
 "Me chame apenas Jesus."




[1] Colossenses 4.11
[2] Atos 13.6
[3]Mateus 27.17 William Barclay, Jesus As They Saw Him (Grand Rapids, Mich: Wm. B. Eerdmans).
[4] Mateus 1.21
[5] Heb 4:15

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ESPIRITO SANTO- Fernanda Brum

Tudo pode mudar"Catedral"

Cristo vive em mim - Ton Carfi

Quão Grande És Tu (Harpa Cristã) - Diante do Trono -Maravilhoso

Abraça-me

Toque em Cristo - Ton Carfi

Paulo Cesar Baruk confiar em ti

Eis me aqui " Aliança do Tabernáculo " CD O CHAMADO

Se tu quiseres crer "O Milagre vai acontecer"

Cristo vive em mim

ME DERRAMAR

Resistindo a tentações - Ele me ama

Pamela - Clipe de "A Chave"

Jeremy Camp - I Still Believe- "Eu ainda acredito"

chora que a vitória vem - Lea mendonça

"Love Is Not a Fight - Warren Barfield"Tradução Música do Filme A Prova de Fogo

AMOR

AMOR
AMOR
Preciso ter uma conversa séria com você, mas desta vez acho que você não vai se entediar e nem se aborrecer com o assunto...
Quero falar de amor, quero falar deste sentimento glorioso que me move em direção a você, deste sentimento que me faz respirar com mais alegria, que me faz agradecer a Deus pelo simples fato de estar viva!
Para ilustrar o quanto você me completa e me faz feliz, vou falar de coisas simples como pássaros, flores, campos, riachos, pipocas, beijinhos e bons aromas. Vou tentar dizer o quanto essas coisas simples se tornam mais belas e saborosas quando você está por perto.
Hoje, vou falar de amor. Não porque me sinta extremamente poética ou inspirada; não há neste bilhete nenhuma pretensão poética, literária ou filosófica: vou falar de amor simplesmente porque você não sai do meu pensamento, vou falar de amor simplesmente porque ele me invadiu desde que eu te conheci e, tenho certeza, este sentimento não vai me abandonar tão cedo.
Querido, vou falar de amor porque gostaria muito que você sentisse o quanto é necessário para mim, o quanto me faz feliz e diferente, o quanto você me faz melhor.